quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Milestone: 6 anos no Canadá (um brasileiro que virou canadense)



E lá se foram 6 anos! Já é mais do que o período que passei na faculdade (que eu achava não acabar nunca).

Saímos de São Paulo rumo à Toronto com a passagem de ida somente. Ainda lembro a correria para fecharmos as malas com peso distribuído entre elas, imprimir os documentos para a imigração, fechar as caixas com as coisas que deixamos para trás, conferir inúmeras vezes os passaportes e os vôos, e repetir várias vezes para mim mesmo “se não der certo, eu volto”.

O primeiro ano definitivamente foi muito difícil e sou grato por ter passado pelas dificuldades. Elas ajudaram na adaptação e me fizeram mais forte. Os anos subsequentes também não foram fáceis, porém aos poucos as peças foram se encaixando.
Hoje sou pai, brasileiro com muito orgulho e canadense. Olho para os obstáculos do passado com certo alívio e orgulho por tê-los superado. A grande barreira do idioma, a adaptação ao clima, a distância dos amigos e da família, a busca do emprego, a casa própria, etc. agora fazem parte da história e aprendizado.

Grandes decisões sempre carregam consequências.

Não abro mão das minhas raízes, da minha memória, da minha brasilidade. Falo com muito orgulho que sou brasileiro, falo com muito orgulho do meu país. Recentemente me tornei canadense e aos poucos também vou alimentando o orgulho de ser canadense. Fico feliz em poder ser os dois.

Tenho grande responsabilidade em transmitir para a minha filha Amanda os valores que me foram ensinados. Valores transcendem quaisquer barreiras geográficas.

Nesses 6 anos muita coisa mudou. Eu mudei. Acho que a desaceleração da rotina do dia-a-dia permitiu que eu fizesse um auto-conhecimento. Sinto que aos poucos fui me desapegando ao consumismo (claro que ainda compro coisas, mas em menor escala), dando mais valor ao tempo pessoal do que na carreira, valorizado minha qualidade de vida, e conhecendo meu lado emocional.

Hoje qualidade de vida significa segurança, comodidade, tempo livre, viver mais simples.

Nos últimos 3 anos a mudança foi ainda maior com a chegada da Amanda. Aprendi a ser pai. Pessoalmente acho que sou um bom pai e sinto que é o melhor de mim. Não sou perfeito e sei que erro como pai também. Enquanto os acertos são maiores que os erros, ou enquanto os erros se transformam em aprendizado, considero um sinal positivo.

Nos últimos 2 anos tive de aprender a conviver ou superar a depressão. Sim, ela veio e foram algumas batalhas. É ilógico.

A vida virou rotina. Trabalho durante a semana, tenho ótimas perspectivas na carreira, aguardo o final de semana para aproveitar o tempo com a Amanda ou passear ou fazer as tarefas de casa ou compras, às vezes preciso resolver questões de banco ou operadora de TV/Internet, às vezes conto piada em inglês mesmo, às vezes fico sem entender uma piada, às vezes preciso reclamar, procuro fazer exercícios, procuro controlar a alimentação e peso, às vezes viajo, às vezes tiro fotos, às vezes fico doente e assim por diante. Seria diferente no Brasil?

Se alguém perguntar quando eu volto para o Brasil, ainda não saberei responder.



2 comentários:

Ceiça Schettini disse...

Adorei o seu relato! Parece que foi ontem que eu lhes desejei muito boa sorte antes da sua viagem! Certamente, muitas alegrias o esperam no seu futuro mezzo brasileiro mezzo canadense, pois com todo seu talento,;humildade e competência não haverá de ser diferente! Bjs

Alessandra Genovese disse...

Muito legal seu relato!!! As aventuras da vida são assim mesmo. Altos e baixos sempre mas o mais importante é a família linda que vc construiu independente do país! !!!
Depois vou querer conversar melhor contigo. Meu filho fará 18 anos em 2017 e estou incentivando ele a ficar um tempo por aí. Infelizmente nosso país está muito complicado! !! Bjs